Fundo
Quinta-feira, 13 de Junho de 2024
Paulinas - A comunicação a serviço da vida

Evangelho do dia 13/04/2024

2ª Semana da Páscoa - Ano B - Branca
1ª Leitura: At 6,1-7 Salmo: Sl 33(32) - Da sua bondade a terra está cheia.
evangelho
Sou eu, não temais - Jo 6,16-21

Quando se fez tarde, seus discípulos desceram para o mar. Eles subiram em um barco e foram para Cafarnaum, do outro lado do mar. Já tinha anoitecido e Jesus ainda não se juntara a eles. O mar estava agitado por causa de um vento forte que soprava. Tendo percorrido de vinte e cinco a trinta estádios, viram Jesus aproximando‑se do barco caminhando sobre o mar e sentiram medo. Ele, porém, lhes disse: “Sou eu, não temais”. Queriam, então, traze‑lo para o barco, mas logo o barco chegou à terra para onde iam.

A Bíblia: Novo Testamento, tradução da editora Paulinas, 2015.
Clique nos títulos para ler o conteúdo.
Oração Inicial

O evangelista João prossegue narrando que os discípulos entraram na barca e foram para Cafarnaum. Veio a noite e Jesus ainda não os havia encontrado.
Mesmo que esteja noite em sua jornada, deixe-se encontrar por Jesus neste momento de oração.
Repita quantas vezes for necessário:
“Jesus eu creio que estás aqui comigo. Ajuda-me a permanecer na tua presença.”




“Coragem! Sou eu. Não tenhais medo!”

Leitura (Verdade)

Observe os diferentes lugares, os verbos de ação, os sentimentos dos discípulos, as palavras de Jesus, etc. Procure o que está por trás das palavras deste relato.

Evangelho: Jo 6,16-21 Quando se fez tarde, seus discípulos desceram para o mar. Eles subiram em um barco e foram para Cafarnaum, do outro lado do mar. Já tinha anoitecido e Jesus ainda não se juntara a eles. O mar estava agitado por causa de um vento forte que soprava. Tendo percorrido de vinte e cinco a trinta estádios, viram Jesus aproximando‑se do barco caminhando sobre o mar e sentiram medo. Ele, porém, lhes disse: “Sou eu, não temais”. Queriam, então, traze‑lo para o barco, mas logo o barco chegou à terra para onde iam.

“Os discípulos estavam no mar à noite. Na Bíblia, o movimento agitado das ondas significa as forças malignas e a morte. São forças que somente Deus tem o poder de acalmar. Os discípulos veem Jesus andando sobre as águas e ouvem: “Sou eu, não temais”. Em meio às tempestades da vida, ou quando não sabemos explicar o que estamos vendo, é justamente o momento em que mais precisamos do olhar da fé para perceber Jesus vindo ao nosso encontro. Sua presença nem sempre é clara, mas é real. Não deixemos que a noite ou a agitação da vida nos roube a certeza de que o Espírito orientará nosso olhar para Jesus, e, com ele, teremos coragem para seguir firmes, mesmo em meio à escuridão”. (Viver a Palavra – 2024 - Ir. Carmen Maria Pulga - Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)

No mar agitado de minhas dificuldades quem é que vem ao meu encontro e me dá esperança?
E quando sinto que estou afundando como Pedro tenho fé em que Deus estenderá sua mão para me socorrer e me sustentar?

Oração (Vida)

Com o salmista, reze confiante e pausadamente com o Salmo 27:

O Senhor é a minha luz e a minha salvação; a quem temerei? O Senhor é a força da minha vida; de quem terei medo ? (...)
Quando disseste: Buscai o meu rosto; o meu coração te disse a ti: O teu rosto, Senhor, buscarei.
Não escondas de mim o teu rosto, não rejeites com ira o teu servo, tu que tens sido a minha ajuda.
Não me enjeites nem me desampares, ó Deus da minha salvação.
Ensina-me, ó Senhor, o teu caminho, e guia-me por uma vereda plana...
Creio que hei de ver a bondade do Senhor na terra dos viventes.
Espera tu pelo Senhor; anima-te, e fortalece o teu coração; espera, pois, pelo Senhor.

Contemplação (Vida e Missão)

Olhe para dentro de seu coração e procure identificar o sentimento que a palavra despertou em você. E à luz deste sentimento defina uma ação prática para o seu dia.

Bênção

“O Senhor te abençoe e te guarde.
O Senhor faça brilhar sobre ti sua face e se compadeça de ti.
O Senhor volte para ti o seu rosto e te dê a paz.” (Nm 6, 24-26).

Ir. Carmen Maria Pulga

Jesus estava no outro lado do mar da Galileia, quando multiplicou os pães. No fim do dia, ficou recolhido no monte enquanto os discípulos voltaram de barco para Cafarnaum. Durante a travessia, os discípulos veem Jesus se aproximar, andando sobre as águas. Não deu tempo de recolher Jesus no barco, porque chegaram logo à margem do lago. Jesus andou sobre as águas talvez para mostrar que ele controla toda a natureza. Quando os Evangelhos foram escritos, os cristãos já conheciam a história de Jesus andando sobre as águas. O importante, porém, é o que Jesus diz aos discípulos, que enfrentavam o mar agitado e estavam com medo: “Sou eu. Não tenham medo!”. Fiquemos com esta palavra no meio das tempestades da vida ou quando não sabemos explicar o que estamos vendo: “Sou eu. Não tenham medo!”. O Cristo ressuscitado está vivo entre nós. Sua presença nem sempre é clara, mas é real. Ele encontrou um meio de permanecer sempre conosco, um meio sensível, que é a Eucaristia. Sua presença na Eucaristia nem sempre é clara, mas é real. O capítulo sexto de São João, que estamos lendo, é todo ele eucarístico. O pão que vem do céu é o próprio Jesus que, ao entregar seu Corpo e seu Sangue, nos diz: “Sou eu. Não tenham medo!”.

Cônego Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2024’, Paulinas.