Fundo
Domingo, 23 de Abril de 2017
Baixe o app do Comece o dia feliz
Play Store App Store

Evangelho do dia 23/04/2017

2º Domingo da Páscoa, Domingo da Divina Misericórdia - Ano A - Branca
1ª Leitura: At 2,42-47 Salmo: 118(117) - Celebrai o Senhor, porque ele é bom; pois eterno é seu amor. 2ª Leitura: 1Pd 1,3-9
evangelho
A paz esteja convosco - Jo 20,19-31

Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da semana, os discípulos estavam reunidos, com as portas fechadas por medo dos judeus. Jesus entrou e pôs-se no meio deles. Disse: “A paz esteja convosco”. Dito isso, mostrou-lhes as mãos e o lado. Os discípulos, então, se alegraram por verem o Senhor. Jesus disse, de novo: “A paz esteja convosco. Como o Pai me enviou também eu vos envio”. Então, soprou sobre eles e falou: “Recebei o Espírito Santo. A quem perdoardes os pecados, serão perdoados; a quem os retiverdes, lhes serão retidos”.
Tomé, chamado Gêmeo, que era um dos Doze, não estava com eles quando Jesus veio. Os outros discípulos contaram-lhe: “Nós vimos o Senhor!” Mas Tomé disse: “Se eu não vir a marca dos pregos em suas mãos, se eu não puser o dedo nas marcas dos pregos, se eu não puser a mão no seu lado, não acreditarei”.
Oito dias depois, os discípulos encontravam-se reunidos na casa, e Tomé estava com eles. Estando as portas fechadas, Jesus entrou, pôs-se no meio deles e disse: “A paz esteja convosco”. Depois disse a Tomé: “Põe o teu dedo aqui e olha as minhas mãos. Estende a tua mão e coloca-a no meu lado e não sejas incrédulo, mas crê!” Tomé respondeu: “Meu Senhor e meu Deus!” Jesus lhe disse: “Creste porque me viste? Bem-aventurados os que não viram, e creram!”
Jesus fez diante dos discípulos muitos outros sinais, que não estão escritos neste livro. Estes, porém, foram escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais a vida em seu nome.

Bíblia Sagrada, tradução da CNBB, 2ª ed., 2002.
Clique nos títulos para ler o conteúdo.
Oração Inicial

“Bendito sejas, Deus da vida, por este novo dia. Celebrando hoje o segundo Domingo da Páscoa e o Domingo da Divina Misericórdia, na comunhão do teu amor, renovas em nós a alegria da ressurreição de teu Filho. Na escuta da Palavra, recordamos a vitória de Jesus sobre a morte, a sua presença junto aos discípulos e o envio em missão.”
Neste início da nossa leitura orante, peçamos: “Vem, Espírito Santo! Faze-nos amar as Escrituras, para reconhecermos a voz viva de Jesus. Torna-nos humildes e simples, a fim de compreendermos os mistérios do Reino de Deus. Amém.”

Leitura (Verdade)

O que diz o texto? Leia o Evangelho atentamente e procure responder às perguntas: qual é o contexto da narrativa? Quais personagens aparecem neste Evangelho? O que Jesus comunica aos seus discípulos? Quais palavras mais chamaram sua atenção durante a leitura? Quais expressões se repetem?
O Evangelho de hoje nos apresenta dois relatos da aparição de Jesus aos seus discípulos. No primeiro (Jo 20,19-23), os discípulos estão reunidos em Jerusalém, possivelmente na mesma sala onde realizaram a ceia de despedida. Eles estão com medo, por isso, as portas estão fechadas. Seu líder foi morto, e eles ainda foram acusados de roubar o corpo de Jesus. Em meio ao medo, Jesus aparece junto deles e lhes deseja a paz: “A paz esteja convosco”. Depois, Jesus mostra-lhes as mãos e o lado do qual jorraram sangue e água, e os discípulos se alegram por ver o Senhor. Em seguida, Jesus renova o dom da paz, repetindo a saudação: “A paz esteja convosco”.
Então, Jesus envia os seus discípulos e lhes concede o dom do Espírito: “Como o Pai me enviou, também eu vos envio”. Os discípulos recebem a mesma missão que Jesus recebeu do Pai, e ela se tornará possível pelo dom do Espírito Santo: “Recebei o Espírito Santo. A quem perdoardes os pecados, serão perdoados; a quem os retiverdes, ficarão retidos”. O perdão dos pecados é oferecido por Jesus por meio da missão dos seus discípulos.
No segundo relato (Jo 20,24-31), o personagem em destaque é Tomé. Ele não estava presente quando Jesus apareceu aos discípulos, resiste em acreditar, mesmo que eles lhe tivessem transmitido o encontro com Jesus, e diz que necessita tocar nas chagas: “Se eu não vir a marca dos pregos em suas mãos, se eu não puser o dedo nas marcas dos pregos, se eu não puser a mão no seu lado, não acreditarei”.
Novamente os discípulos estão reunidos, e as portas, fechadas. Jesus entra e se dirige a Tomé, permitindo que se realize aquilo que ele desejava: “Põe o teu dedo aqui e olha as minhas mãos. Estende a tua mão e coloca-a no meu lado”. Mais ainda, convida Tomé a crescer na fé: “Não sejas incrédulo, mas crê”. Diante do reconhecimento de Jesus, Tomé professa: “Meu Senhor e meu Deus!”.
Por fim, o evangelista lembra que foram muitos os sinais realizados por Jesus: milagres, palavras, ensinamentos, aparições. E esses sinais foram registrados para que acreditemos que “Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo”, tenhamos a vida em seu nome.

Meditação (Caminho)

O que o texto diz a você hoje? Qual mensagem o Evangelho comunica para sua vida? O que significam, para você, as palavras de Jesus: “A paz esteja convosco”, “Recebei o Espírito Santo”, “Não sejas incrédulo, mas crê!”, “Bem-aventurados os que não viram e creram”? Fique em silêncio por alguns instantes, para compreender melhor este texto e a sua aplicação em sua vida.
“Onde Jesus ressuscitado entra, todas as portas se abrem, desaparece todo medo, retornam a paz e a segurança. O Espírito que ressuscitou Jesus dos mortos a todos liberta dos temores e os transforma em anunciadores intrépidos da palavra libertadora do Evangelho. Abra seu coração ao Espírito Consolador! Você sentirá como a força de Deus é mais poderosa que suas fraquezas humanas! Não se tranque no medo, na angústia, na depressão, no desamor. Experimente, como Paulo, o poder de Jesus ressuscitado: ‘Quem nos separará do amor de Cristo?’ (Rm 8, 35)” (Trecho do livro “Ele está no meio de nós”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)

Agradeça tudo o que a Palavra lhe permitiu compreender e vivenciar do mistério de Cristo.
Apresente ainda ao Senhor a oração que brotou em seu coração durante a leitura orante.

Faça as preces a seguir e inclua outras que surgirem em seu coração:

- Senhor, dai-nos o Espírito Santo, revitalizai e revigorai a fé de todos os cristãos, para que os povos todos possam experimentar o amor do Pai e a alegria de sermos irmãos em Cristo.
- Ó Deus, faze com que vivamos em Cristo ressuscitado e renovai em nós a esperança.

Contemplação (Vida e Missão)

Qual novo olhar nasceu em você a partir da Palavra? Que apelos brotaram em seu coração? Que compromissos você deseja assumir hoje? O que deseja concretizar em sua vida?

Bênção

- Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
- Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
- Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
- Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Equipe de Redação Paulinas Internet.

Jesus está vivo, ressuscitado e permite que o vejam. No dia da ressurreição os discípulos viram o túmulo vazio para que não procurassem entre os mortos aquele que está vivo. Hoje, na sua divina misericórdia, ele permite que Tomé o veja, toque nas suas chagas, professe a sua fé. Os apóstolos contaram a Tomé que tinham visto Jesus. Tomé não acreditou. Como acreditar? Eles viram a morte de Jesus e seu sepultamento. Acreditavam na ressurreição, mas no último dia, e não sabiam bem nem o que era ressurreição nem o que seria o último dia. Jesus se deixa ver no primeiro dia da semana, que é o domingo. Tinham visto Jesus no domingo anterior. No domingo seguinte, Tomé pôde vê-lo e dizer: “Meu Senhor e meu Deus”. Na primeira vez, Tomé estava ausente. Hoje, ele está com os outros. Nós também não percamos o encontro com os irmãos no domingo e vejamos Jesus na Eucaristia. Da Mesa Eucarística veremos o mundo. Nossos olhos se abrirão e, vendo os irmãos, veremos Jesus, sobretudo nos menos vistos e nos mais esquecidos. Com Tomé, olhe para Jesus e olhe para quem ele olha.
A fé no Cristo Ressuscitado purificou e abriu os olhos dos nossos primeiros irmãos no início da Igreja e eles viram com amor e carinho seus irmãos e suas irmãs. A grande preocupação da comunidade era que não houvesse necessitados entre eles. Partilhavam o que tinham como partiam o Pão consagrado da Páscoa do Senhor. São Pedro nos anima quando escreve na sua primeira carta que, sem ter visto o Senhor, nós o amamos e, ainda sem o ver, nele acreditamos. Isto é fonte de alegria, porque vamos obter aquilo em que acreditamos, a nossa salvação.
A Igreja nos ensina que nos salvamos participando do mistério pascal de Cristo nos sacramentos. E os que não participam dos sacramentos podem entrar no mistério pascal de Cristo por um caminho que só Deus conhece. Todos, porém, mostram que estão de fato inseridos no mistério de Cristo pela misericórdia que demonstram uns para com os outros. Misericórdia foi o que Jesus mostrou para com Tomé, por isso este domingo é o domingo da divina Misericórdia.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2017’, Paulinas.