Fundo
Quarta-feira, 17 de Outubro de 2018
Baixe o app do Comece o dia feliz
Play Store App Store

Evangelho do dia 17/10/2018

Santo Inácio de Antioquia, memória - Ano B - Vermelha
1ª Leitura: Gl 5,18-25 Salmo: 1 - Senhor, quem vos seguir terá a luz da vida!
evangelho
Ai de vós que deixais de lado a justiça e o amor de Deus - Lc 11,42-46

“Ai de vós, fariseus, porque pagais o dízimo da hortelã, da arruda e de todas as outras ervas, mas deixais de lado a justiça e o amor de Deus. Isto é que deveríeis praticar, sem negligenciar aquilo. Ai de vós, fariseus, porque gostais do primeiro assento nas sinagogas e de serdes cumprimentados nas praças. Ai de vós, porque sois como túmulos que não se veem, sobre os quais as pessoas andam sem saber.” Um doutor da Lei tomou a palavra e disse: “Mestre, falando assim, insultas também a nós!”. Jesus respondeu: “Ai de vós igualmente, doutores da Lei, porque carregais as pessoas com fardos insuportáveis, e vós mesmos, nem com um só dedo, não tocais nesses fardos!”.

Bíblia Sagrada, tradução da CNBB, 2ª ed., 2002.
Clique nos títulos para ler o conteúdo.
Oração Inicial

Na escuta, meditação e contemplação da Palavra de Deus, acolhamos o Senhor que fala ao nosso coração. Ele nos recorda que o Pai sonda o nosso coração e nos conhece profundamente, por isso, de nada valem as aparências.
Rezemos: “Senhor Jesus Cristo, envia sobre nós, como prometeste, teu Espírito Santo. Que Ele nos conceda a vida e nos ensine a plenitude da verdade. Que nele encontremos salvação, felicidade e plenitude de amor. Amém.”

Leitura (Verdade)

O que diz o texto? Qual é o tema central da narrativa? Quais críticas Jesus faz aos escribas e fariseus? Quais são as leis mais importantes que devem ser praticadas, segundo o texto bíblico?
“Se em Mateus a crítica aos fariseus é feita diante das multidões e dos discípulos (Mt 23,1), em Lucas é feita na casa do fariseu que convidou Jesus para uma refeição. A crítica que Jesus faz aos fariseus e aos doutores da Lei visa despertá-los para a centralidade do amor e da justiça na prática da Lei. Não deixa de ser impressionante a liberdade com a qual Jesus procede e diz a verdade, sem, contudo, oprimir ou diminuir quem quer que seja. Seu único intuito é levar todos a uma verdadeira e profunda conversão para que se abram ao mistério de Deus revelado em sua pessoa. Tal crítica também significa que ele veio para levar a Lei à plenitude (cf. Mt 5,7). O amor é a plenitude da Lei. Quem ama a Deus e ao próximo cumpre plenamente a Lei (cf. Lc 10,25-37). Jesus afirma a primazia do amor sobre qualquer outro mandamento, pois, como dissemos acima, o amor é a plenitude da Lei; ele está na origem da Lei e é para ele que toda a Lei tende. Por essa razão, a prática da lei não pode, como princípio, visar, em primeiro lugar, ao bem de quem a pratica; isso é hipocrisia” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)

O que o texto diz a você hoje? Qual palavra mais chamou sua atenção? De que forma o texto fortalece sua caminhada de fé? Como você acolhe as palavras e ensinamentos de Jesus em sua vida? Quais gestos Jesus o(a) convida a viver?
“Jesus era de uma coragem inspiradora. Dizia a verdade quando ela precisava ser dita, com amor e com muita prudência. Não tinha medo de denunciar as injustiças e os erros que os grandes e poderosos cometiam, e que eram um peso para a vida das pessoas. Aos fariseus, criticava a observância irrestrita da lei e ao mesmo tempo o coração duro e insensível deles para com os outros. Ao doutor da lei, incomodado com as duras palavras de Jesus, advertiu que colocavam pesados fardos nas costas do povo e eles mesmos não viviam nada do que exigiam. Portanto, sejamos cumpridores da lei e não julguemos nossos irmãos, mas sejamos acolhedores e amorosos! Essa é a verdadeira religião: acolher qualquer pessoa com amor” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)

Apresente, confiante, a sua oração ao Senhor. Ele acolhe os nossos pedidos feitos com fé e sinceridade de coração. Estamos no mês missionário. Em sua oração, lembre-se dos missionários espalhados pelo mundo, que doam a sua vida a serviço do Reino.
Conclua com a oração da Campanha Missionária: “Deus Pai, Filho e Espírito Santo, nós vos louvamos e bendizemos pela vossa comunhão, princípio e fonte da missão. Ajudai-nos, à luz do Evangelho da paz, a testemunhar com esperança um mundo de justiça e diálogo, de honestidade e verdade, sem ódio e sem violência. Ajuda-nos a sermos irmãos e irmãs, seguindo Jesus Cristo, rumo ao Reino definitivo. Amém.”

Contemplação (Vida e Missão)

Sintetize em poucas palavras o apelo que você sentiu em seu coração, para colocá-lo em prática durante o dia. O que você se propõe a viver? Como pretende atingir esse propósito?

Bênção

- Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
- Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
- Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
- Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas

Ainda no almoço na casa do fariseu, Jesus continua suas invectivas. Tem-se a impressão de que Jesus está sendo inconveniente. Na casa dos outros, critica sem piedade fariseus e legistas, que a gente até se pergunta se conseguiram comer alguma coisa. O texto é mais longo do que o que estamos lendo e termina com uma reação natural dos escribas e fariseus, “que começaram a persegui-lo terrivelmente e a cercá-lo de interrogações a respeito de muitas coisas, armando-lhe ciladas para surpreenderem uma palavra de sua boca”. De qualquer forma, Jesus está dizendo à sua Igreja que, se ela quiser ser ouvida, precisa primeiro falar. Se não disser nada, ninguém ouvirá nada. O que disse Jesus desde o início? Purificam os talheres e por dentro estão cheios de roubo e maldade; pagam o dízimo e deixam de lado a justiça e o amor de Deus; querem o lugar onde possam aparecer; impõem aos outros fardos insuportáveis e eles mesmos não os carregam; seus pais matam profetas e eles edificam os túmulos; não entram e impedem os outros de entrar! Um bom exame de consciência, para eles e para nós.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2018’, Paulinas.