Fundo
Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2019
Baixe o app do Comece o dia feliz
Play Store App Store

Evangelho do dia 19/02/2019

6ª Semana do Tempo Comum - Ano C - Verde
1ª Leitura: Gn 6,5-8, 7,1-5.10 Salmo: 29(28) - A voz do Senhor se faz ouvir com força.
evangelho
Cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes! - Mc 8,14-21

Os discípulos se esqueceram de levar pães; tinham apenas um pão consigo no barco. Jesus os advertia, dizendo: “Atenção! Cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes”. Os discípulos começaram então a discutir entre si, porque não tinham pães. Percebendo, Jesus perguntou-lhes: “Por que discutis sobre o fato de não terdes pães? Ainda não entendeis, nem compreendeis? Vosso coração continua endurecido? Tendo olhos, não enxergais, e tendo ouvidos, não ouvis? Não vos lembrais? Quando reparti cinco pães para cinco mil pessoas, quantos cestos recolhestes, cheios de pedaços?” – “Doze”, responderam eles. “E quando reparti sete pães com quatro mil pessoas, quantos cestos recolhestes, cheios de pedaços?” – “Sete”, responderam. Jesus então lhes disse: “E ainda não entendeis?”

Bíblia Sagrada, tradução da CNBB, 2ª ed., 2002.
Clique nos títulos para ler o conteúdo.
Oração Inicial

Iniciando nossa leitura orante, peçamos a graça de bem compreendermos a Palavra que vamos meditar. Silenciando seu coração, repita algumas vezes a oração: “Jesus Mestre, iluminai minha mente, movei meu coração, para que esta meditação produza em mim frutos de vida. Amém”.

Leitura (Verdade)

O que diz o texto bíblico? Faça sua leitura com calma e atentamente. Procure compreender o Evangelho de hoje. Qual é o motivo da discussão entre os discípulos? Quais perguntas Jesus dirige a eles? Qual problemática é apresentada no texto? O que significam os dois relatos da multiplicação dos pães? Qual é a preocupação de Jesus diante da discussão dos discípulos?
“Jesus aproveita o esquecimento e a discussão entre os discípulos para repreendê-los por causa da incredulidade deles, pois, não obstante tudo o que têm ouvido e contemplado do que Jesus faz, não são capazes de ir a fundo na mensagem contida em seu ensinamento nem de ver no que ele faz – o texto faz referência às duas multiplicações dos pães – ‘sinais’ que remetem ao mistério de Deus que habita a vida de Jesus. O tom do relato é áspero, expressão da indignação de Jesus acerca da atitude dos discípulos. Vê na atitude deles o perigo de serem contaminados pelo apego desordenado às tradições humanas (cf. Mc 7,1-23), à necessidade de ver um sinal do céu (cf. Mc 8,11) e ao poder pelo poder. Daí o alerta quanto ao cuidado em relação ao ‘fermento dos fariseus e o de Herodes’. Em nosso caso se trata da influência maléfica do ensinamento e da prática dos fariseus e do péssimo exemplo de Herodes, que podiam contaminar a todos. Na tradição rabínica o fermento era, ainda, metáfora do pecado e da corrupção. Em nosso texto, trata-se de não ser seduzido pelo ensinamento e pela atitude representados por esses dois elementos: fariseus e Herodes” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)

O que o texto diz a você hoje? Qual palavra encontrou sintonia com a realidade que você está vivendo?
“Duas preocupações diferentes no Evangelho. De um lado, os discípulos discutindo pela falta de pão suficiente para alimentá-los; de outro, Jesus chamando a atenção para o fermento da hipocrisia, da maldade, da mentira, da perseguição, que brotava do coração dos fariseus e de Herodes Antipas e que poderia contaminar as relações entre os discípulos e suas atitudes. Jesus adverte seus discípulos para não pensar nem agir assim. Mas a discussão pelo pão continua. Então, o Senhor é mais severo: ‘Vocês ainda não entenderam nada?’. Jesus alimentou multidões, será que não pode alimentar aquele pequeno grupo? Mas a dureza de coração estava começando a dominar seus corações. Um único pão nos alimenta: Jesus” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)

Ouvimos a Deus, que falou conosco em sua Palavra. Agora, somos impelidos em direção àquele a quem temos ouvido. O que a passagem que você meditou o(a) inspira a dizer a Deus? Conclua com a oração composta por São João Paulo II: “Senhor Jesus, concede-me crer firmemente no amor que Tu me revelaste e que doaste no teu Evangelho. Faze que eu ouça cada dia a tua voz que me chama a seguir-te para sentir sempre em mim os benefícios da tua redenção. Amém”.

Contemplação (Vida e Missão)

A prática da leitura orante requer coerência entre a Palavra que meditamos e a vida que levamos. É preciso uma decisão constante de viver segundo o Evangelho. Qual é a aplicação da Palavra em sua vida? O que você se propõe a viver? Como pretende atingir esse propósito?

Bênção

- Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
- Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
- Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
- Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas

Jesus e seus discípulos voltam para o território dos judeus. Embarcam e atravessam o lago em direção a Betsaida. Havia apenas um pão no barco, porque os discípulos não prestaram atenção e não compraram mais pães. No diálogo com eles, Jesus ressalta duas questões relacionadas ao pão. Lembra as duas multiplicações dos pães. Aqui, parece que foram duas, de fato. Na primeira vez sobraram doze cestos cheios e na segunda, sete. Doze seria um número simbólico para os Doze Apóstolos judeus, e sete, um número para os Sete Diáconos de origem grega. Por que então se preocupar com pão? Aquele único que eles tinham não poderia também ser multiplicado? Questão mais séria é a do fermento dos fariseus e de Herodes. Esse é perigoso porque, ao fermentar a massa, pode contaminá-la. Com isso os discípulos devem preocupar-se. Tal fermentação significa corrupção. Para quem tem fé, o pão de cada dia não faltará. É preciso estar atento aos agentes da corrupção.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2019’, Paulinas.